Pesquisar este blog

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Motivação: Onde andas? Por que estás distante de mim?

Tenho notado aqui no blog que um dos posts mais visitados é o que fala sobre motivação. Creio que as pessoas estão em busca de receitas, dicas, pílulas, sugestões para sair da rotina enfadonha que muitos cultivam ao longo da vida. Não é para menos. Um emprego ameaçado, chefes incompetentes, casamentos instáveis, filhos rebeldes, insegurança pública, consumismo desenfreado para compensar as ansiedades e neuroses dos novos tempos. Este é o mundo em que vivemos. Como lidar com a complexidade dos desejos e escolhas atuais? De um lado, desejos não atendidos levam à frustração, de outro, desejos atendidos levam ao tédio. É o tédio do TER sem limites. Viva a propaganda! Que nos estimula a consumir 24 horas por dia, e que nos remete sempre à próxima novidade. Dançamos de um lado para o outro, ao sabor dos desejos e das escolhas.

A motivação é algo intrínseco ao ser humano. Jamais seremos motivados por fatores externos. É assim que percebo essa questão da motivação. Eu preciso criar o MEU motivo para viver melhor e conviver com os outros. A motivação vem de um objetivo de vida, de uma meta estabelecida. Esse negócio de "deixar a vida me levar" é coisa de gente fraca. Gente que rejeita a ideia de que se pode planejar a vida para alcançar os resultados desejados. Assim como o tempo é o acúmulo de eventos que se sucedem um após o outro, a vida também é uma sucessão de eventos. Alguns probabilísticos e outros muito bem pensados. 

Como a nossa cultura brasileira não estimula o "pensar a vida" e apenas "ir vivendo", não é  surpresa que muitas pessoas não possuam clareza de seus destinos. Então, a certa altura da vida, se perguntam: - Êpa, qual é mesmo o sentido da vida? O que estou fazendo? O divã do psicólogo está lotado de pessoas em busca de si mesmo. Em busca da motivação para viver, trabalhar, amar etc. 

É muito simples entender o que está acontecendo. Nos últimos 30 anos, a evolução  tecnológica nos proporcionou conforto e comodidade. Carros, eletrodomésticos, remédios, eletroeletrônicos, academias, moradias super-aparelhadas, e tantas outras coisas, promoveram uma apoteose no jeito de viver e de se cuidar, externamente. Expressões da modernidade, levou-nos a direcionar o nosso foco para a separação, o egoísmo, o consumo irregular - como compensação - e a competição de classes. Distanciamo-nos dos relacionamentos autênticos, verdadeiros, e nos encolhemos diante da pequinês de propósitos. Esquecemos de cuidar SER espiritual que nos alimenta de equilíbrio e de energia para lidar com a realidade. Nos afastamos da essência da vida ou melhor, da razão de existir do ser humano que é a ajuda ao próximo. Sem pré-julgamentos, sem segundas intenções e isento de paradigmas tortos de um sociedade também torta de valores.

Colocar a motivação como conseqüência ou  dependente de fatores externos (a empresa, o salário, o chefe, a próxima novidade, o outro) é dar um tiro no pé. Aposte na motivação através da realização de seus sonhos e de seus desejos mais autênticos, para construir uma vida equilibrada e feliz. Para começar essa jornada, creio que as primeiras perguntas passam por uma reflexão profunda do status-quo: - Cheguei até aqui. Sou assim. Não sou assim. Gosto disso. Não gosto daquilo. Quero isso, não quero aquilo. Olhando para as diversas dimensões do ser: profissional, familiar, espiritual, pessoal; é possível exercitar ideias, fazer um brainstorming, conversar com um amigo, com o psicólogo, com um bom chefe bom, com familiares para elaborar um plano factível. Exemplo: Quero ser Diretor de TI numa grande empresa. Ok. Está formado na área? Tem inglês? Tem especialização na área ou em gestão? Trabalha numa grande empresa? O que preciso fazer para ser o diretor daqui há 5 anos? Coloca no papel e transforma em plano de ação. O resto é determinação e disciplina. Ou pensar na dimensão pessoal, de um hobby por exemplo. Sempre gostei de música e já sonhei fazendo um concerto de piano. Ok. Vá em frente! Quero reduzir peso. Quero fazer uma viagem de moto, navio etc. Quero casar e ter filhos. Quero morar nos EUA e investir nos estudos. Ok! Tudo factível com planejamento. Aí estão as suas motivações! Pequenas conquistas levam a grandes objetivos.

Para se auto-motivar o caminho é a montagem de um plano. O plano de sua vida. Sem atalhos, rodeios, gambiarras e influências de pessoas que deixam a vida levá-las. Estas, não saberão jamais para onde estarão indo. Você é o dono do seu destino. Esta última frase parece um clichê! Saiba que não gosto de clichês e nem de modismos. Já vi isso acontecer. Mas, afinal, o que você está fazendo aqui? Qual o seu propósito? Como você está aproveitando a vida? Da melhor ou da pior maneira? Refita e faça algo por você pela sua motivação perdida. Encontre-a! Está dentro de você. Quer um empurrão? Toma! Assista ao vídeo inteirinho e reflita enquanto assiste. (No post abaixo). 

2 comentários:

  1. Olá, Parabéns pelo artigo! realmente a falta de motivação em qualquer campo é a ferrugem que corroi lentamente...suga energias que poderiam ser canalizadas para a construção de novos planos, para o enriquecimento e revitalização da vida. Luana.

    ResponderExcluir