Pesquisar este blog

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Equilíbrio emocional - Como manter as emoções sob controle na liderança

Nancy Campos - 12/02/2014 (no Blog do Abílio Diniz)
O empresário Abilio Diniz costuma dizer que para ter equilíbrio emocional é preciso balancear todos os papéis e atividades que a vida nos proporciona. “Só quem consegue equilibrar vida pessoal e profissional e desempenha bem seus papéis e atividades é feliz. Profissionais felizes produzem mais e melhor. Ganha pontos quem consegue ter uma vida equilibrada”, defende.
Segundo Daniela Simi, diretora do Hay Group, consultoria global de gestão de negócios, este equilíbrio está ligado à inteligência emocional, um diferenciador na carreira e na vida pessoal. Para a executiva, essa competência tornou-se tão importante no mundo corporativo, que a consultoria desenvolveu uma metodologia com Daniel Goleman, autor do livro Inteligência Emocional, para avaliá-la e desenvolvê-la em executivos.
Este tipo de inteligência envolve habilidades como autoconhecimento emocional (reconhecer um sentimento imediatamente), controle emocional (adequar os sentimentos à situação), automotivação (dirigir emoções para um objetivo) e reconhecimento das emoções em outras pessoas (habilidade nos relacionamentos interpessoais).
Portanto, o caminho a ser traçado pelos líderes, para alcançar ou manter o equilíbrio das emoções diante dos desafios da vida corporativa, começa pelo autoconhecimento. “Você precisa saber o que o tira do sério, quando deve fazer uma pausa, enfim, conhecer os seus limites, o que é fundamental para poder se controlar”, afirma Daniela. Para isso, o gestor pode lançar mão de diversos recursos: terapia, meditação, coaching, avaliações 360o e esportes individuais, que permitem o contato com você mesmo.
O segundo passo é chamado de autogerenciamento, ou seja, saber administrar as próprias emoções num ambiente de alta pressão. “O gestor precisa aprender a lidar com situações difíceis, antes que elas atinjam o seu limite emocional”, diz a especialista. “Você precisa saber o que fazer para não chorar diante destas situações, por exemplo”. Autocontrole, adaptabilidade, encarar as metas com iniciativa e otimismo e manter o foco nos resultado são características de líderes equilibrados emocionalmente.
Por outro lado, manter o controle não significa esconder as emoções negativas. Se o líder estiver de mau humor, por exemplo, uma conversa franca com a equipe sobre como ele se sente é a melhor saída.  
A diretora do Hay Group destaca que entender e gerenciar as relações interpessoais também fazem parte do equilíbrio emocional na liderança. Para isso, é necessário buscar compreender os outros, exercer a capacidade de liderar e influenciar pessoas e saber resolver conflitos. 
Na visão de Abilio Diniz, buscar um equilíbrio harmônico na vida significa sabedoria. “Esta é uma condição para viver feliz e satisfeito e não viver pressionado, seja pelo trabalho ou pela família”.

Fonte: http://abiliodiniz.uol.com.br/lideranca/lideranca/detalhe-16.htm

Um comentário:

  1. Muito pertinente e completo. Busquemos o autoconhecimento!

    ResponderExcluir